“NOVO” BASQUETE BRASIL, por Athos Calderaro

O Novo Basquete Brasil realmente esta de parabéns os clubes fundadores, os atletas , arbitragem , enfim todos que estão fazendo o Basquete Brasileiro “crescer” em termos de organização. O que mudou do nosso antigo Campeonato Brasileiro para  a  NBB? Sem duvida a organização que trouxe junto com ela a mídia esportiva mais precisamente,a TVGLOBO,  junto com ela seus canais esportivos. A TV consegue transformar o produto melhor para ser comercializado, então sem duvida alguma, estamos no caminho certo em termo de organização “fora da quadra”.

 

O “Novo” Basquete Brasil dentro de quadra continua o “Velho” Basquete Brasil, estamos nas finais com nenhuma surpresa com as equipes que possuem os melhores jogadores do país na atualidade, onde se pegarmos o “Velho” Basquete Brasil, esses atletas estiveram protagonizando as finais, temos que cada vez mais parabenizar esses profissionais que conseguem se manter no topo do alto nível e estão mostrando que a renovação no basquete não se troca o novo pelo velho, mas sim o pior pelo melhor. A comunidade do basquete tem que entender que desde Barcelona 92 que não vamos a uma olimipíada e que infelizmente o nosso basquete caseiro não serve de comparativo a nível internacional, os nossos atletas são sem duvida alguma, depois dos norte-americanos, individualmente os melhores do mundo, então o que nos falta se temos a mão de obra excelente e agora temos uma liga muito bem organizada?

 

Temos que pegar como a nossa seleção jogou suas ultimas competições, como nos jogamos aqui o nosso basquete caseiro e temos que entender que não podemos jogar dessa maneira a nível internacional, poderia citar vários conceitos de como se joga no nível internacional hoje o que não seria surpressa para nenhum técnico, mas acontece que  na prática todos temos receio de mudar, de fazer o seu melhor jogador entender que se ele jogar mais coletivamente temos oportunidade de vencermos, que se marcarmos sem usarmos as mãos, temos oportunidade de vencermos, que se aprendermos a ter uma leitura de jogo a nível internacional e não caseira podemos vencer. Vamos fazer um comparativo com a NBA, perguntaram para o Kobe Bryant, visto que o sistema de triângulo é um sistema de jogo de sucesso onde envolve toda sua equipe e proporciona varias ações de ataque contra qualquer tipo de defesa, por que as outras equipes não utilizam ? O astro do Lakers foi taxativo e disse que é um sistema de jogo onde tem que deixar de lado seu “ego” pessoal , tem que ter muito treinamento, e muitas vezes os técnicos não tem postura pra fazer seus atletas a executarem o basquete como coletivo e não como individual. Esta na história do esporte da cesta Micahel Jordan só foi campeão porque jogou no ST, Kobe idem. Lebron James MVP grande estrela, não conseguiu chegar nas finais.

 

Voltamos para o nosso basquete tupiniquim, até quando iremos continuar pensando que com nossos métodos de treinamentos e nossa maneira de jogo que sempre acaba com a bola na mão do jogador no meio da quadra ou na lateral  sendo pressionado pelo seu defensor e tendo que jogar sempre no total da sua individualidade para tentar a cesta , aqui no Brasil isso serve é suficiente, mas quando chegamos lá fora que encontramos atletas do mesmo nível ou melhor aí tudo muda. Até quando vamos achar que o melhor técnico é aquele que ganha mais títulos, sendo que sabemos que para ser o melhor técnico basta ter um diretor que consiga um patrocínio grande onde sua equipe possa contratar alguns atores dessa turma que esta fazendo a final da NBB, que seu time estará certamente na final. Para finalizar sobre a renovação, temos que renovar nós treinadores, nossa maneira de trabalhar e ver como o basquete funciona, fico muito admirado de ver treinadores renomados que já estiveram acompanhando a NBA e voltam para o Brasil fazendo a mesma maneira de treinamento, o que esta nos faltando, coragem para mudar?

 

Fico na expectativa da mudança da presidência da CBB, se houve uma mudança é porque queremos mudar, então temos que começar , fomos no sul-americano sub-17 e ficamos em 3º lugar, não podemos achar que estamos no caminho certo. O Novo Basquete Brasil já deu duas grandes mudanças fora de quadra com sua organização profissional e mudamos a Confederação Brasileira de Basquetebol , agora vamos mudar nossa maneira de jogar. O Velho Sábio tem que levantar o Novo Basquete Brasil. Saúde a todos!

 

Athos Felipe Garcia Calderaro

Técnico de Basquetebol

E-mail:athoscal@gmail.com

Autor: gaucho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *